Topo 728x90


Tempo Real

recent
 Anuncie agora mesmo clicando no banner

PONTE DE ABUNÃ: FALTAM 15 POR CENTO DAS OBRAS E UM EMPENHO DE 19 MILHÕES PARA ENTREGÁ-LA EM 2019.

Faltam apenas pouco mais de 15 por cento das obras. Dos 151 milhões de reais previstos, ainda serão necessários mais 19 milhões, já incuídos no projeto da lei orçamentária do ano que vem, mas ainda dependendo de empenho. Se tudo correr bem e não faltar dinheiro, Rondônia e Acre serão ligados por terra, pela primeira vez, graças à ponte de 1.084 metros, chegando a 3 quilômetros, se forem computados os acessos de ambos os lados, até o final do primeiro semestre do ano que vem.E até o final deste ano, não faltará dinheiro para essa gigantesca obra, vital para os projetos de desenvolvimento da região norte e da ligação com o Pacífico. Segundo informações do Dnit, os recursos empenhados para a ponte, neste ano, já foram de 30 milhões de reais. Ainda há em caixa 12 milhões de reais para pagar os trabalhos que estão sendo realizados no último trimestre do ano (outubro, novembro, dezembro). O projeto caminha com alguns pequenos atrasos, mas os trabalhos são feitos em dois turnos, por cerca de 150 trabalhadores. Só correrá o risco de parar, caso os 19 milhões que ainda faltando para concluir todo o trabalho, não sejam empenhados ou liberados no prazo previsto. Por isso, aliás, que é a Federação das Indústrias do Estado, a Fiero, por exemplo, lidera uma mobilização entre os dois Estados, para que as obras continuem num ritmo acelerado e que sejam entregues dentro do prazo previsto, no ano que está chegando. “A ponte sobre o rio Madeira, na Ponta do Abunã, é uma obra de grande importância, que zera déficit histórico que é conectar o Estado do Acre à malha viária nacional, permitindo ainda mais desenvolvimento aos estados do norte e principalmente também para Rondônia. Mais que isso, a obra significa a consolidação da interligação do Brasil rumo ao Pacífico”, sintetizou o presidente da Fiero, Marcelo Thomé, à frente da luta para que a ponte se torne realidade o mais breve possível.
Essa ponte, que enquanto é construída também causa alguns problemas de engarrafamento, já que motoristas que vão e estão voltando do Acre, por vezes têm que aguardar até quatro horas para a travessia, até agora feita de balsa, faz parte de um pacote de obras que, a curto prazo, será vital para a expansão da economia e dos negócios em nossa região. Marcelo Thomé, em nome do empresariado, diz quea ponte; a elevação da BR no trecho onde a rodovia foi tomada pelas águas na última grande enchente e o asfaltamento dos perto de 900 quilômetros da BR 319, que liga Porto Velho a Manaus, compõem um trinômio vital para nossa expansão, em todos os sentidos. Uma quarta medida, talvez a principal de todas, por enquanto não passa de um sonho: a duplicação da BR 364, de Vilhena à fronteira com o Acre. Será que um dia isso ocorrerá?

BADERNA ANUNCIADA NA 364

Por falar na Ponta do Abunã, a volta da baderna foi anunciada com antecedência. Moradores da Comunidade Kuruquetê estão avisando que fecharão a BR 364 pela terceira vez, nesta segunda-feira, dia 19, sem previsão para saírem do local. O motivo é o mesmo das vezes anteriores: o não cumprimento de promessas de políticos e da Eletrobras Rondônia de colocar energia elétrica a disposição do povo daquele pequeno núcleo, localizado na fronteira com o Acre. O primeiro protesto foi em agosto de 2017. Dias depois, ocorreu um acordo, em que a Eletrobras garantia resolver o problema até março deste ano. Claro que, como sempre, tudo papo furado! Em abril, novo fechamento, por três dias. Confusão, motoristas ameaçando tocar por cima de manifestantes, intervenção da polícia e, finalmente, outro acordo. A nova promessa (e ainda tem gente que acredita!) foi feita perante vereadores e autoridades. A energia seria colocada no núcleo Kuruquetê até setembro passado. Claro que nada aconteceu. Então, a população decidiu se mobilizar de novo. Ao invés de irem atrás de quem prometeu e não cumpriu, os moradores vão se vingar, pela terceira vez, na população que nenhuma culpa tem. Espera-se que as autoridades façam cumprir a lei e não permitam mais essa baderna. Não importa o motivo: fechar a BR 364 é crime!

Fonte: Sergio Pires/NewsRondonia.
PONTE DE ABUNÃ: FALTAM 15 POR CENTO DAS OBRAS E UM EMPENHO DE 19 MILHÕES PARA ENTREGÁ-LA EM 2019. Reviewed by Cleiton Rocha on domingo, novembro 18, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.